E o mensalão tucano? TJ-MG mantém condenação de Azeredo

 

 

☆☆☆☆☆

 

Com sentença definitiva, tucano agora só pode recorrer para tentar responder em liberdade

 


 

O ex-governador e senador por Minas Gerais Eduardo Azeredo (PSDB) teve sua situação judicial complicada na tarde desta terça (24/4) quando o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG) decidiu – por três votos a dois – manter a sentença em segunda instância que condenou o político a 20 anos e um mês de prisão, no processo que ficou conhecido como mensalão tucano. Azeredo responde por peculato e lavagem de dinheiro.

 

Os votos dos desembargadores Júlio César Lorens, que relatou o processo, Pedro Coelho Vergara e Adilson Lamounier determinaram a derrota do recurso impetrado pela defesa do ex-governador. Alexandre Victor de Carvalho e Eduardo Machado se manifestaram a favor da absolvição. A prisão de Azeredo, no entanto, só será possível após se esgotarem os recursos no TJ-MG. A se ressaltar que nenhum recurso terá força de mudança no que se refere a sentença, no máximo podem fazer com que o tucano responda em liberdade.

 

Leia mais. Como Aécio Neves, réu no STF, está no Ranking dos Políticos?

 

Manifestantes do Movimento Vem pra Rua estiveram presentes em frente ao fórum onde aconteceu o julgamento do recurso. Eles levaram faixas que pediam moralidade na política com o fim da corrupção e a prisão de todos os políticos corruptos.

 

O caso

 

O mensalão tucano ocorreu em 1998 e, de acordo com o processo, Eduardo Azeredo liderou um esquema de financiamento ilegal de campanha para sua reeleição. A manobra teria desviado cerca de R$ 3,5 milhões e envolveria a Companhia Mineradora de Minas Gerais (Comig), a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e o Banco do Estado de Minas Gerais (Bemge).

 

Leia mais. Todos os processos de Lula: não é só corrupção e lavagem de dinheiro

 

São 21 anos desde a denúncia contra Azeredo, em 2007, feita pela Procuradoria Geral da República (PGR), quando o político mineiro ocupava uma cadeira no Senado. Sete anos mais tarde, o procurador Rodrigo Janot pediu a condenação do tucano a 22 anos de prisão. A manobra de Azeredo se deu ao, dias depois, renunciar ao cargo de deputado, que ocupava a época, sendo assim, o processo que teve que voltar ao início, tramitando em vara comum.

 

Em 2015, Azeredo foi condenado em primeira instância a 20 anos e dez meses de prisão, mas em 2017, o tribunal de segunda instância decidiu que a pena deveria ser nove meses menor. Agora, a prisão do tucano parece ser apenas uma questão de tempo.

%d blogueiros gostam disto: