“REPORTAGEM” PREGUIÇOSA E IRRESPONSÁVEL SOBRE O RANKING DOS POLÍTICOS

Quem estiver interessado em pegar o mais recente exemplo de mau jornalismo basta dar uma espiada na “matéria” de um sujeito chamado João Filho, no site The Intercept Brasil. Lá, ele supostamente cava uma séries de “furos” para “desmascarar” o Ranking dos Políticos. Segundo o tal João, o site não seria suficientemente neutro para seu gosto e estaria, apesar dos sinais evidentes nas nossas páginas, enganando os seguidores.

Vale destacar que João Filho anunciou antecipadamente a realização dessa “reportagem”. O Ranking se animou com a ideia e ofereceu-se para uma entrevista. Mas, pelo visto, ouvir o objeto da matéria parece não fazer parte da agenda desse valente. Nada poderia estragar sua visão pré-concebida. Veja abaixo uma das nossas ofertas para sermos entrevistados. João ignorou.

 

Em relação à reportagem em si, ficamos espantados com a má fé desse senhor, esse gênio investigativo, esse oráculo da decisão sobre quem é verdadeiramente neutro e quem não é. Através de pinçar fatos fora de contexto, escolher algumas coisas para mostrar e outras para omitir, ele se propõe a fazer uma grande “exposição” do Ranking. Faz isso usando informações que qualquer um pode pegar em dez segundos em nosso próprio site. E o faz  vendendo com sabores de furo investigativo.

Sobre a suposta “denúncia”, existem duas formas de se “desmascarar” o Ranking para descobrir que não somos verdadeiramente neutros:

  1. Ler o grande “furo investigativo” de João Filho, ou
  2. Entrar na nossa página e seguir nossos posts, como o do exemplo abaixo:

Caro João, não temos nenhuma pretensão de sermos neutros. Nossas bandeiras estão escancaradas na home. Nosso detalhamento disso está escancarado na página “Sobre o Ranking”. Não é preciso investigação para descobrir quem está “por trás” do Ranking, nem para divulgar seus currículos. Está tudo no site: fotos, nomes, trajetória profissional, etc.

Se, para você, ser “neutro” é ser um marciano que vem à terra a cada quatro anos sem nenhum contato, nenhuma atividade profissional, nenhum envolvimento com nada, então não sobrará ninguém da mídia, nem ONGs nem cidadãos comuns e muito menos o The Intercept para participar da política.

Apontar conselheiros individuais que têm atividades pessoais diferentes do Ranking como “prova” de que há interesses escusos é pura vigarice. Pegue-se como exemplo a análise do conselho estratégico do Ranking. João pinça Flavio Rocha como exemplo de viés do site, por ele ser branco, homem, empresário e ter sido candidato. Mas se esquece de citar que Flavio só foi convidado para nosso conselho após já ter desistido da candidatura. João cita também Eduardo Mufarej, que abandonou sua carreira profissional para dedicar-se à preparação de jovens candidatos de diversos partidos, muitos deles de esquerda.

Depois ele pinça Alexandre e Renato, donos da Multilaser, acusando-os, entre outras coisas (oh céus!) de terem doado tablets para a rede pública de ensino de São Paulo, sob o prefeito Doria:  “(a Multilaser fez) uma doação de tablets para a prefeitura, numa jogada de marketing perfeita para ambas as partes.”, informa o sagaz pesquisador.

Nossa, João! Que malvadeza! Então esses caras doaram tablets para que crianças pobres das escolas públicas pudessem estudar?? Onde esse mundo vai parar? Mandem agora mesmo todos os donos da Multilaser para o paredão!

Em sua análise sobre cada conselheiro, ele convenientemente se esquece de citar que temos duas mulheres entre seis conselheiros. O branco empresário malvadão Flavio Rocha, com apenas trinta dias de atuação no Ranking não foi deixado de lado por João. Porém Flavia Virginia, mulher, negra, música, artista, com três anos de participação, essa sim ele preferiu ignorar, já que atrapalharia sua narrativa monocromática.

Ele faz o mesmo quando analisa o Conselho de Leis (a turma que avalia as votações do Congresso). Ele pinça os conselheiros que lhe interessam (todos homens e brancos, todos com experiência de mercado) e convenientemente se esquece de citar os negros e mulheres em nosso conselho, bem como os de experiência progressista.



João não tece comentários por exemplo sobre Paulo Cruz, professor de Filosofia e Sociologia na rede pública estadual de São Paulo. Paulo foi outro negro ignorado por João Filho em sua análise de quem “está por trás” do Ranking dos Políticos. Notem que há aqui um padrão. Ele pinça o que lhe interessa para pintar o Ranking como machista e reacionário, simplesmente ignorando o que não lhe interessa.

Os critérios do Ranking são claros e públicos. Ainda assim, caso o seguidor não concorde com o veredito do nosso Conselho, pode entrar na funcionalidade “Meu Ranking” para personalizar suas preferências, sobrescrevendo sua opinião sobre as pontuações do Conselho.


Acesse: http://www.politicos.org.br/meu-ranking

Continuando pela lista de canalhices: segundo João, o Ranking é parcial porque premiou com pontos todos os parlamentares que votaram pelo impeachment de Dilma Rousseff.  João vê nisso a prova cabal sobre o viés do Ranking. Mas ele convenientemente omitiu que também demos pontos a todos que votaram contra Aécio, contra Cunha e contra Temer. Não importa o partido, o Ranking dos Políticos apoia medidas de combate à corrupção contra políticos de todas as linhas ideológicas. Isso ele decidiu não falar. Preguiça ou vigarice? Veja abaixo link dessas votações.

Afastamento de Aécio Neves: http://www.politicos.org.br/leis/14624
Cassação de Eduardo Cunha: http://www.politicos.org.br/leis/14395
Denúncias contra Temer 1 e 2: http://www.politicos.org.br/leis/14625; http://www.politicos.org.br/leis/14578

João também sentenciou que a corrupção não teria peso significativo no Ranking dos Políticos. Ora, de onde ele tirou essa ideia?? Ele sequer se deu ao trabalho de ver quem está em último lugar? Veja abaixo os cinco piores parlamentares do Brasil segundo o Ranking: quatro deles de centro-direita. Todos eles com pontuação negativa e afundados no Ranking devido aos processos judiciais.

João, tem algum parlamentar com processos que não estejam listados no Ranking? Caso saiba, envie para nós.

Em resumo, é uma pena que o Brasil sério esteja se digladiando entre mentiras e desinformação, enquanto os barões fisiológicos do centrão preparam-se para fincar suas garras ainda mais fundo no poder.

Recomendação para João Filho: informe-se melhor, conheça as instituições que você se propõe a investigar, dialogue, venha tomar um café com a gente com muito amor e abraços.

Um beijo no seu coração

Ranking dos Políticos

 

%d blogueiros gostam disto: